Procon de Campina encerra atividades do São João contabilizando mais de 150 atendimentos

O Maior São João do Mundo de 2019 chegou ao fim e o Procon de Campina Grande avalia como muito positiva a atuação do órgão. Nos 31 dias de festa foram mais de 30 atendimentos no ônibus do Parque do Povo e cerca de 130 ocorrências no Sítio São João, em Galante e no Trem do Forró. Além da distribuição de 10 mil panfletos e 3 mil exemplares do Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Para Rivaldo Rodrigues coordenador executivo do Procon Municipal, foi uma edição bem diferente dos outros anos, com consumidores mais antenados aos seus direitos e com fornecedores com mais conhecimento das leis consumeristas.imagem“Mesmo que tenhamos aumentado nossa presença na festa, este ano além de termos colocado o ônibus no Parque do Povo, estivemos com ações pontuais em Galante e com uma barraca no Sítio São João. As ocorrências foram menores do que esperávamos, com pouquíssimas autuações. Para nós é um reflexo de todo um trabalho educativo que estamos fazendo junto a fornecedores desde 2017. Assim como o de divulgação do Código de Defesa do Consumidor junto a população que se mostra cada vez mais consciente e atuante. Esse foi o São João do Consumidor Consciente”, destaca Rivaldo.

Em 2018 em todo o São João foram 17 ocorrências, entre notificações por falta de clareza na cobrança de preço por produtos, venda de produtos fora do prazo de validade e a entrada de bebidas no Parque do Povo. Na oportunidade apenas o Parque do Povo tinha uma equipe fixa do Procon, nas outras áreas da festa eram enviados fiscais nos períodos de maior concentração de pessoas.imagemJá na edição deste ano o Procon levou o ônibus móvel para dentro do Parque do Povo, que nos 31 dias de festa contabilizou 30 atendimentos. Destes apenas 9 se relacionavam a festa em si, foram reclamações com relação ao bloqueio da entrada de bebidas no Parque do Povo (4), o valor cobrado pelos estacionamentos no perímetro da festa (2) o que gerou autuação, dúvida com relação a cobrança dos 10% nas barracas (2) e também houve denúncia sobre o preço cobrado pelo camarote arretado (1). O restante das ocorrências se deu sobre temas indiferentes ao São João, como o pagamento de contas (5), cartão de crédito (7), telefonia/internet (3), cagepa (2), energisa (2), mensalidade escolar (1) e entrega de diploma (1).

Além do Parque do Povo, o Procon também fixou local no Sítio São João, a barraquinha que funcionava na Difusora do Sítio atendeu um público de 95 pessoas em 7 dias. Em funcionamento das 13h às 18h nos dias 22, 23, 24, 28, 29, 30 de junho e 06/07, os técnicos atenderam uma média de 13 pessoas por dia. A maioria com questões que não cabiam ao Procon, mas com uma boa conversa e orientação o consumidor saia satisfeito.imagem“Dentre os muitos atendimentos a maioria eram de pessoas que queriam que o Procon interviesse junto ao Sítio para que este diminuísse o valor cobrado pela entrada, sobretudo nos dias de shows, outros vinham reclamar dos preços das comidas e bebidas cobrado pelos estabelecimentos do local, muitos queriam sair do sítio e ter o direito de voltar sem precisar pagar mais nada, houveram também pedidos de orientação sobre o pagamento dos 10% do garçom, da obrigatoriedade de nota fiscal e outros temas relacionados ao CDC” explica Rivaldo.

Já em Galante o Procon atuou por meio da fiscalização e da equipe de panfletagem. Umas 35 pessoas chegaram aos fiscais para tirar dúvidas quanto a devolução do valor pago pelo ingresso do Trem do Forró quando este descarrilou e para reclamar dos altos preços cobrados pelos comerciantes locais, houve também uma denúncia de venda de bebida com prazo de validade expirado, onde o estabelecimento foi prontamente autuado.

Rivaldo reforça que as pessoas estão mais conscientes dos seus direitos, por isso o comerciante tem sempre de buscar atualização quanto às leis consumeristas. “O Procon de Campina tem feito sua parte, é um órgão que não apenas pune o fornecedor quando este comete erros nas relações de consumo, mas também atua na prevenção, com o programa Consumidor Consciente disponibilizando material educativo e realizando treinamentos e palestras sobre o CDC para fornecedores e população em geral. Também investe na conciliação de conflitos, recentemente inaugurou uma nova sala de audiências para conciliação e solução de conflitos na área consumerista.

O Procon não é um órgão punitivo, mas sim um órgão que busca incentivar acima de tudo o conhecimento das leis, para que o cidadão não seja enganado e saiba cobrar os seus direitos. Essa avaliação do trabalho realizado no São João  nos estimula a intensificar o trabalho que estamos desenvolvendo” disse.

Fonte: Codecom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

TOPO