Câmara aprova por unanimidade projeto do executivo que reajusta Piso do Magistério

plenario_cmcg_2017A Câmara Municipal de Campina Grande aprovou, em sessão ordinária nessa terça-feira (21), o Projeto de Lei do prefeito Romero Rodrigues, que implanta o Piso Nacional do Magistério na rede municipal de ensino.

A matéria, de autoria do Poder Executivo, recebeu a aprovação unânime dos 23 vereadores campineses. O salário dos professores, com reajuste de 7,64%, passa a vigorar retroativo ao mês de janeiro.

“Recebemos o projeto das mãos do prefeito Romero Rodrigues na semana passada. Na ocasião, me comprometi de colocar em votação na sessão desta terça-feira em regime de urgência, por se tratar de um reajuste de grande importância para toda uma categoria profissional que aguardava ansiosa esse benefício”, destacou a presidente do Poder Legislativo, vereadora Ivonete Ludgério (PSD).

O projeto que define o Piso Nacional do Magistério como o salário-base para a categoria em Campina Grande foi apresentado, na manhã da última terça-feira (14), pelo prefeito Romero Rodrigues (PSDB), durante coletiva à imprensa. De forma consensual, todos os vereadores se posicionaram à favor da matéria. “Não poderíamos votar contra, até porque os principais beneficiados são os servidores”, declarou o líder da oposição, vereador Galego do Leite (PTN), ao pedir que sua bancada votasse pela aprovação.

O líder da bancada governista, vereador João Dantas (PSDB), elogiou a iniciativa do Poder Executivo em reajustar os salários do magistério. “Não quero comparar a atual gestão com as demais, mas temos que fazer justiça ao prefeito Romero, que mesmo em época de crise, com as receitas caindo, encaminhou esse projeto que reajusta em 7,64% os salários dos professores da rede municipal de ensino”, disse durante o debate.

De acordo com os levantamentos da Prefeitura, o reajuste proporciona um impacto de R$ 600 mil mensais na folha de pagamento da Educação do município. De imediato, custará R$ 1,8 mil aos cofres municipais, pois serão pagos os valores complementares referentes aos meses de janeiro, fevereiro e março.

Fonte: Codecom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

TOPO