Campina Grande inicia curso para capacitar profissionais nos cuidados em saúde mental

A Prefeitura de Campina Grande, por meio da Secretaria de Saúde, realizou nesta quinta-feira, 20, a aula inaugural do curso de aperfeiçoamento em Saúde Mental e Rede de Atenção Psicossocial. O objetivo é capacitar os trabalhadores em saúde para fortalecer todos os serviços da saúde com relação à saúde mental.

O curso, realizado em parceria com uma clínica especializada em psicologia, é oferecido para cerca de 300 profissionais de 70 municípios da região. São trabalhadores da Rede de Saúde Mental, como Caps e Residências Terapêuticas, além dos funcionários da Estratégia de Saúde da Família. O levantamento do público-alvo demonstrou que outros 675 trabalhadores também vão ser atingidos com a qualificação de forma indireta, por meio dos alunos, que são multiplicadores do conhecimento e das técnicas ensinados.

“O intuito é fortalecer a atenção em saúde mental, desde o atendimento primário dos pacientes aos serviços de referência, tratando todos os problemas psicológicos e psiquiátricos. Nós precisávamos de um esforço e Campina Grande tem sofrido com vários casos de pessoas com depressão e ansiedade que acabam cometendo o ato extremo do suicídio. Precisamos trabalhar para diminuir essas estatísticas”, disse a Secretária Municipal de Saúde, Luzia Pinto.

A aula inaugural foi realizada no auditório da FIEP. O curso é presencial em local específico e com visitas nos espaços de trabalho dos profissionais. O conteúdo envolve temas atuais relacionados à saúde mental como as autoagressões, suicídios, autismo, psicoses, toxicomanias e sintomas contemporâneos.

Em Campina Grande existem 16 serviços específicos de saúde mental e 7 mil pessoas são atendidas por ano na cidade. São 8 Centros de Atenção Psicossocial. O Caps AD atende pessoas que sofrem com o vício do álcool e outras drogas. O Caps ADJ atende crianças e jovens nesta situação. O Caps Intervenção Precoce e o Caps I oferecem serviço de acompanhamento psicológico para crianças e adolescentes que sofrem problemas psíquicos. Ainda tem o Caps II e os Centros dos distritos de São José da Mata e Galante. O Caps III foi implantado nessa gestão e recebe os casos mais severos. O serviço foi habilitado pelo Ministério da Saúde.

Além dos Caps, existem seis residências terapêuticas que abrigam, integralmente, homens e mulheres com problemas psicológicos que perderam o vínculo com a família. Outro serviço essencial para essas pessoas são os leitos de emergência psiquiátrica do Hospital Municipal Doutor Edgley Maciel, que atende os pacientes dentro de um hospital geral, extinguindo os antigos manicômios e cuidando da saúde do paciente com problemas mentais de forma completa. Esse modelo é único na Paraíba e um dos poucos do país.

O antigo manicômio João Ribeiro deu espaço ao Parque da Liberdade em alusão à política pública de saúde que trata esses pacientes de forma integrada à sociedade, onde as pessoas acompanhadas na rede participam, rotineiramente, de atividades lúdicas.

Fonte: Codecom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

TOPO