De geração para geração: artesanato resiste no Maior São João do Mundo

Turistas e conterrâneos passeiam pelo ambiente cenográfico (Foto: Anderson Luiz)

Turistas e conterrâneos passeiam pelo ambiente cenográfico (Foto: Anderson Luiz)

Todos os anos a cidade cenográfica Vila Nova da Rainha está presente no Parque do Povo, trazendo para a festa o ar de cidade do interior. A cenografia, por sua vez, é uma das atrações que mais encanta os turistas no ‘Quartel General do Forró’. Pela grande diversidade de artesanatos, a Vila mantém preservada essa parte da cultura regional que, mesmo tão rica, vem sendo esquecida com um ar de modernidade cada vez mais presente no São João de Campina Grande, assim, ela torna-se então, sinônimo de resistência cultural dentro do evento.

O espaço dos artesãos é sempre garantido no Parque do Povo, porém é um costume que está caindo no esquecimento das pessoas, principalmente das mais jovens. Por outro lado, isso vem sendo contestado por visitantes, que acreditam que é importante a manutenção dessa cultura para as gerações futuras.

Foi o que relatou Kátia Regina (40), que veio da cidade de Areia, na Paraíba, e pela primeira vez está conhecendo o espaço da Vila Nova da Rainha. “Eu tenho um neto com dois anos e dez meses de idade. Quando ele crescer, vai querer saber o que a avó curtia, em que foi baseada a infância dela”, expressou a turista.

Além da descaracterização que o São João da Rainha da Borborema vem sofrendo, a falta de visibilidade dada aos artesãos também é um motivo pelo qual alguns deles reclamam. O vendedor e artesão Elias Januário (35), que está iniciando uma exposição de trabalho no polo principal do Maior São João do Mundo este ano, não hesitou em falar da importância da preservação dessa cultura no evento.

 

Cidade cenográfica chama atenção no Parque do Povo (Foto: Anderson Luiz)

Artesanato marca a cidade cenográfica no Parque do Povo (Foto: Anderson Luiz)

“O turista vem e quer encontrar tudo em um único lugar, e o Parque do Povo é o lugar certo para encontrar tudo. Então tinha que influenciar mais esse material dentro do Parque do Povo, está deixando a desejar”, disse ele. Elias ainda ressalta ter observado a coletividade dos artesãos para estarem presentes no espaço todos os anos. “Tem vários artesões na mesma barraca, alguns já estão há mais de dez anos, outros são um pouco mais recentes”.

A união dos artesãos para exposição de trabalhos também é citada por Dona Wilds Fontes (71), antiga artesã da cidade, ela também fala um pouco sobre o prazer de fazer artesanato e de estar todos os anos expondo arte no Parque do Povo. “Eu gosto de fazer, de trabalhar. Não gosto de ficar parada, então o que der pra fazer, vou fazendo”, enfatizou.

(Foto: Anderson Luiz)

(Foto: Anderson Luiz)

Dona Wids ainda ressaltou a importância dessa cultura para os campinenses e os visitantes no período junino. “É tradição aqui da cidade, né? Todo ano tem os artesanatos aqui no Parque do Povo. É bom, porque é um passatempo pra gente, faz a gente esquecer das coisas ruins”, disse ela.

Dessa forma, apesar de qualquer percalço que os artesãos possam encontrar, é nítida a alegria que eles demonstram em vender um trabalho manual e cultural no São João da cidade. É comum, portanto, que quem conhece a festa observe e desfrute da Vila Nova da Rainha, e quem vem pela primeira vez pode conhecer o tradicional artesanato nordestino e logo se encantar. Isso torna essa arte um sucesso, o que consequentemente a faz estar presente todos os anos no Maior São João do Mundo.

(Foto: Anderson Luiz)

Fonte: Codecom

Matéria: Repórter Junino
Campina Grande, 7 de julho de 2018  ·  Escrito por Renato Douglas e Steffanie Alencar  ·  Editado por Mayara Oliveira  ·  Fotos de Anderson Luiz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

TOPO