Quadrilha junina campeã da Paraíba e do Nordeste, vai buscar o titulo brasileiro

moleka_2015Uma das atrações que se apresentaram  noite da sexta-feira (3), no palco principal do Maior São João do Mundo, é uma grande campeã qye a cidade já reverencia – A Quadrilha Junina Moleka 100 Vergonha!

A participação integra as homenagens de Campina Grande pelas conquistas da quadrilha junina. Ela carrega os títulos de Hexacampeã da cidade e da Paraíba e, entre tantos outros, o de melhor do Nordeste por duas vezes. Agora se prepara para disputar o titulo nacional, em certame que se realizará em breve no Piauí.
O sucesso tem arrastado multidões para suas apresentações e atraído o olhar das mídias nacionais, divulgando de forma esplendorosa o nome de Campina Grande e da Paraíba pelo Brasil a fora.

Mas o que é que essa Moleka tem?

Fundada em 2000, por um grupo de jovens do bairro das Malvinas, em Campina Grande, a Junina “Moleka 100 Vergonha” começou despretensiosa, apenas para festejar a época do São João. Com o tempo, e diante da dedicação de seus membros e de um trabalho cada vez mais animado e detalhado, eles decidiram começar a participar de festivais. Foi aí que, desde o ano 2004, a chuva de títulos não parou mais.

Já no primeiro festival, ela garantiu o título de vice-campeã da Paraíba e foi campeã em concursos de cidades vizinhas. O primeiro passo havia sido dado e a dedicação passou a ser ainda maior. Em 2006, a Moleka conseguiu o primeiro título de Campeã de Campina Grande.

O Presidente da Moleka 100 Vergonha, Mahatma Gandhi Araújo Vieira, falou sobre as vitórias da junina na Paraíba: “Desde nossa primeira participação no Paraíba Junino, em 2006, de lá pra cá, durante uma década, apenas em 2010 não ficamos entre as duas primeiras colocadas. Entre 100 quadrilhas, sempre somos campeões ou vice. No Campeonato campinense, a história se repete: Nunca ficamos em 3º, desde 2006. Fomos campeãs de Campina seis vezes e vice quatro”.

Foi também em 2006 que a grande junina de Campina Grande foi classificada pela primeira vez para representar a Paraíba no festival regional da Globo Nordeste, o  “Nordestão”. Hoje, a Moleka 100 Vergonha é a quadrilha que mais se apresentou nesse festival, com um total de oito participações, sempre se destacando entre as melhores e ficando no pódio. Foram duas vitórias, a primeira em 2013 e a segunda em 2015, um vice-campeonato, e 3ª colocação por duas vezes. Em 2014, por exemplo, a junina ficou em 3º lugar, mas foi 1ª colocada do Nordeste nos quesitos entrada, casamento, melhor figurino, melhor coreografia e melhor casal de noivos.

Outro título que os quadrilheiros da Moleka carregam com orgulho é o do “Festival das Estrelas Juninas”, que elege a “Corte Junina” d’O Maior São João do Mundo. “Nosso casal de noivos, Lorena Costa e Ivandro Romão, foi campeão absoluto desse festival, desde a sua criação, há cinco anos”. O festival elege o casal junino, casal de noivos e rainha da corte, e em 2015 a Moleka venceu nas três categorias. “Nossa rainha já é tricampeã”, comentou feliz, o Presidente da Junina Moleka 100 Vergonha.

Além de todos esses títulos, a Moleka tem se destacado também em campeonatos a nível nacional. Mahatma fez questão de destacar os títulos de Campeã Nacional do Festival Iguatu Festeiro, recebido em 2012 no Ceará, quando a Moleka concorreu com 65 quadrilhas de todo o Brasil, e Bicampeã do festival de Alagoas, do qual participam quadrilhas de todo o Nordeste.

Por conta de tantas vitórias, a junina campinense mais falada do momento tem se destacado nas mídias nacionais. Já participou do quadro “Me Leva, Brasil”, do Fantástico, quando a quadrilha junina e o São João de Campina Grande ganharam 6 minutos de reportagem exclusiva, em 2012 participou do programa “Criança Esperança” e em 2013 do “Esquenta”, de Regina Casé.

“Através do apoio e da parceria da Prefeitura Municipal de Campina Grande, estamos sempre levando o nome de nossa cidade e da Paraíba pelo Brasil a fora. Isso para nós é o mais importante, pois estamos divulgando a nossa cultura constantemente”, destacou Mahatma Gandhi.

Grande como Campina Grande

A Moleka 100 Vergonha já é referência por todo o país quanto a cenário, adereços, figurinos, por usar a robótica nas suas alegorias do espetáculo, por ter enredos próprios e, claro, por carregar o ritmo e a dança autenticamente nordestinos no corpo. Além disso, é a única quadrilha do Brasil que tem sua sede própria.

“Temos cerca de 200 componentes diretamente ligados ao espetáculo. São 54 pares na quadrilha, totalizando 108 dançarinos, 13 jovens no teatro, 25 na produção da apresentação, 11 músicos, além de diversos colaboradores. Pra você ter ideia, quando vamos nos apresentar são três ônibus lotados, mais alguns carros e vans acompanhando”, contou o Presidente da junina, Mahatma Gandhi, mostrando o porquê da necessidade de ter uma sede própria.

Hoje, a Moleka é composta por dançarinos de várias cidades da Paraíba, não apenas de Campina Grande. Assim como o polo universitário campinense, a quadrilha junina recebe jovens de João Pessoa, Sapé, Guarabira, Ingá e de várias outras cidades, além de todos os bairros de Campina Grande.

Mas integrar a Moleka 100 Vergonha não é só viver para a dança. Mahatma conta que todos os jovens que participam da equipe, muitos deles integrantes de famílias carentes, são estimulados a estudar e desenvolver outras atividades dentro da quadrilha junina, colaborando no acabamento das peças, na construção de alegorias, e acabam aprendendo um ofício que os sustenta de alguma forma.

“A nossa junina está aberta a novos integrantes sempre. Até mesmo quem não tem ritmo e quer integrar essa grande família, é encaixado de alguma forma. Quem tem ritmo, a gente ensina os passos, prepara e deixa pronto para ser dançarino. Quem não tem, sempre fica no espetáculo de alguma forma, seja no teatro, na produção ou no apoio”, falou Mahatma Gandhi.

O Presidente da Moleka destacou ainda que, ao terminar um espetáculo, já se está pensando no do ano seguinte. Mas os ensaios começam apenas no mês de janeiro e seguem até junho. “Geralmente ensaiamos aos sábados e domingos, das 16h às 21h. Quando estamos chegando a maio, ensaiamos sábados, domingos e quartas-feiras. Quando nos aproximamos de junho, ensaiamos sábados, domingos, quartas e sextas-feiras. É muito amor  pela dança! Já estamos pensando em 2016”.

Movimentando o capital da cidade

imagem

Para produzir um espetáculo campeão, a luta é grande. São detalhes, muita gente, muitas roupas e muitos adereços. Para cobrir todas as despesas da Moleka 100 Vergonha, os integrantes colaboram como podem, promovendo eventos e atividades, como rifas, festas privadas, elaboração de projetos para incentivos culturais e solicitação de patrocínios a empresas privadas, além de contribuírem com o próprio dinheiro também.imagem

“Temos alguns parceiros que sempre nos acompanham como a Investlar, Restaurante do Baixinho, a AABB, Chalé do Galeto. Cada um ajuda como pode, seja com dinheiro, com espaço, com alimentação. Mas grande parte do custo ainda sai do nosso bolso”, lembrou o Presidente da quadrilha junina.

Para dar conta de tudo, a Moleka 100 Vergonha conta com o apoio de todos os integrantes, dos patrocinadores e da Prefeitura Municipal de Campina Grande, que na gestão do prefeito Romero Rodr

igues aumentou a colaboração para as quadrilhas juninas campinenses de R$ 800 (oitocentos reais) para R$11.000 (onze mil reais).

“A grande parceira das quadrilhas juninas de Campina Grande é a Prefeitura Municipal. Além dos 11 mil reais por quadrilha, a prefeitura nos ajuda com a locomoção quando vamos representar a Paraíba em outros estados, além das estruturas de sonorização quando fazemos arraiais nos bairros e outros apoios. Ou seja, a Prefeitura de Campina Grande, na figura do prefeito Romero Rodrigues, é uma parceira fortíssima da nossa cultura e principalmente das quadrilhas juninas”, ressaltou o Presidente da Moleka 100 Vergonha, Mahatma Gandhi.

imagem

O apoio da Prefeitura Municipal de Campina Grande não paga todos os custos da junina Moleka, visto que o custo total do espetáculo da campeã gira em torno de R$150.000 (cento e cinquenta mil reais). “Com o dinheiro que recebemos da Prefeitura de Campina, a Moleka 100 Vergonha paga os músicos, mas em quadrilhas menores esse valor consegue cobrir todas as despesas”, explicou Mahatma.

E esse dinheiro retorna para a cidade, pois o comércio que atende às necessidades das quadrilhas juninas é local e lucra com o crescimento da cultura desta dança tipicamente nordestina. Na Moleka 100 Vergonha, a produção conta com o trabalho de três equipes de costureiras: “Temos uma equipe de costureiras para os vestidos das mulheres, outra equipe para as roupas dos homens, e outra para a equipe do teatro. Além disso, todo o resto dos nossos adereços, como calçados, arranjos e apliques de cabelo, acessórios alegóricos, tudo é feito em Campina Grande”.

Expectativas para 2016

imagem

Em 2015, a Moleka 100 Vergonha está apresentando o espetáculo junino “Atire a primeira pedra quem nunca pecou ou vai. A moleka é o Nordeste dos 7 pecados capitais”, trazendo a mística dos pecados capitais para o contexto do casamento matuto, em torno do qual sempre giram as quadrilhas juninas.

“Nós pegamos cada personagem da nossa história e atribuímos um pecado a ele. Por exemplo, o noivo é a luxuria, o pai da noiva é a preguiça, o cangaço é a ira. E por aí vai…”, explicou o Pr

esidente da quadrilha, Mahatma Gandhi.

Para 2016, Mahatma garante que já está tendo algumas ideias: “Estamos muito empolgados para o próximo ano e estão todos convidados a participar de uma nova história, de um novo projeto. Tenho certeza de que com muito trabalho e dedicação, como diz o nosso ditado “Moleka no peito e na raça”, vamos conseguir mais e mais coisas positivas para a nossa quadrilha e para Campina Grande”.

O presidente da Moleka 100 Vergonha, a quadrilha junina campeã de Campina Grande, da Paraíba e do Nordeste, aproveitou para agradecer a todos que colaboraram de alguma forma em 2015:

“Gostaria de parabenizar e agradecer a todos os dançarinos, toda a torcida e todos os componentes que fazem parte desse projeto maravilhoso e à Prefeitura de Campina. Dizer o quanto é importante e como estamos felizes por ter conquistado, não só os títulos, mas esse projeto vitorioso, com um espetáculo belíssimo, que tem sido motivo de orgulho tanto para os campinenses, quanto para todos os paraibanos. Estamos representando o nosso estado e a cultura nordestina por onde quer que a gente passe”, concluiu Mahatma Gandhi.

imagem

A quadrilha mais premiada da Paraíba tem muito do que se orgulhar e muita história pra contar. Para quem ainda não viu o espetáculo 2015, a Moleka 100 Vergonha estará se apresentando n’O Maior São João do Mundo nos dias 03 e 05 de julho, encantando o público do Parque do Povo com suas cores, ritmos e passos vitoriosos mais uma vez.

 Fonte: Codecom

1 comment

  1. Rejane de Mello Siva

    Sou apaixonada por Quadrilha Junina e admiro muito a moleka e conheço alguns componentes, pois participo da Junina Luar do Sertão-AL. Como torcedora apoiadora sei o quanto é dificil fazer um trabalho deste nível durante 08 meses mas ao mesmo tempo gratificante. Só quem ama São João e Quadrilhas Juninas entende todo este AMOR pois não existe retorno financeiro e sim apenas muito AMOR CARINHO e Muitas AMIZADES!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

TOPO